Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

24 Rés-do-Chão

24 Rés-do-Chão

Carta para aquele que ficou em Janeiro de 2011

Dois anos e dois meses, certos. Emocional bitch. O certo é que já se passaram dois anos e dois meses que cortaste a corda, não me perguntes o porquê de no meio de tantas datas ter decorado esta, mas nem me vou dar ao trabalho de tentar perceber o que está por detrás disso.

Durante estes dois anos e pouco, eu fui levando a minha vida para a frente, no início, como sabes, foi complicado, mas quando a cabeça e o coração decidem querer o mesmo, esquecer é possível e ajuda teres deixado de me importunar. Sei que também levaste a tua para outros lugares e para outros braços, pelo menos durante uma parte dessa viagem, lamento que não tenha resultado, sim, lamento mesmo. Fica sabendo que te desejo o melhor, mas também desejo que esse melhor seja a uma distância segura de mim, porque caminhos separados nestes anos foi o que me fez avançar.

Não sei ao certo descrever o que senti por ti, porque não foi amor, deixei à muito de mandar essa palavra ao ar, mas talvez a intimidade que consegui criar contigo me tenha marcado, porra, marcou imenso, e mais uma vez não merece a minha atenção, porque pertence ao passado e nada dói mais do que reabrir velhas feridas à procura de soluções para a curar de vez, cicatrizes ficam para sempre. É por isso, que te mantenho no fundo da gaveta, mas como diz a Nina Simone, numa das suas músicas, eu estou sem ti muito bem, excepto às vezes, mas não julgues tu que são muitas, porque contam-se pelos dedos, mas como tenho a cicatriz, basta pôr-lhe os olhos em cima uma vez para lembrar do que levou a que ela existisse, passem os anos que passarem. E se te posso dizer isto em modo de confissão, sabendo que te vai passar ao lado, fizeste com que tivesse um tipo de rapaz que me atrai particularmente, e não sei se me irrita o facto de todos terem uma característica que identifico em ti ou se me irrita o facto de serem raros esses rapazes. Seja como for, tu deixaste algumas amolgadelas e essas nem eu nem o trabalho em equipa do Tico e Teco com o Idiota do meu coração conseguem resolver.

Portanto, hoje pensei em ti, e voltei a lembrar-me que de ti quero só a vaga lembrança de quem foi passante pelos meus caminhos, porque embora não haja ódio por ti, há amor próprio por mim e alguém que resolveu admitir perante parte do seu mundo que eu fui apenas uma tentativa de "reencarnação" de um velho amor, merece o menor tempo possível da minha atenção. Foste bom e foste mau, e como percebo com os meus poucos 20 anos de idade, tudo é assim na vida, mas embora na altura não soubesse que a moeda ia virar, hoje posso escolher não vê-la em qualquer uma das suas faces. Hoje, foste apenas um nó na garganta de que tinha que me desfazer.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.